Skip to Content

NOTA PÚBLICA DOS FÓRUNS DE EJA DA REGIÃO SUDESTE

CONTRA O PL 274/2017 (ESCOLA SEM PARTIDO) E EM FAVOR DA LIBERDADE DE ENSINAR E APRENDER

Guararema, 06 de agosto de 2017.

Os Fóruns de Educação de Jovens e Adultos (EJA) da Região Sudeste reunidos no IV EREJA, de 4 a 6 de agosto, em Guararema, SP, reafirmam que o direito à educação diz respeito essencialmente à formação da pessoa, que como tal é constitutiva de múltiplas dimensões, às quais a escola precisa estar atenta, tendo em vista a formação plena, conforme previsto na LDB. Neste sentido, o direito humano à educação exige que se cuide do “pleno desenvolvimento do educando e seu preparo para o exercício consciente da cidadania” (art. 2° LDB). Essas finalidades e princípios têm por objetivo promover uma educação escolar de qualidade social, que contribua para o desenvolvimento e a emancipação humana, contribuindo para a formação de cidadãos e cidadãs brasileiros com capacidade crítica, compromisso social e autonomia responsável, capazes de conviver e trabalhar em harmonia com a diversidade que caracteriza a sociedade.

CARTA À PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COMO DIREITO

O tema central que está sendo abordado pelos Fóruns de EJA em seus encontros municipais, regionais e nacional é a reflexão e a avaliação dos vinte anos da modalidade na LDB sob ponto de vista legal e a ação prática. Nunca tal proposta se fez tão apropriada quanto neste momento em que, de Sul a Norte do país, a política neoliberal promove um desmonte dos avanços que se conquistou até aqui.

Neste paralelo entre as conquistas obtidas através da legislação e a sua efetiva aplicação estão, de um lado, o poder público constituído e o quanto este tem reconhecido os direitos constantes na lei, e de outro, as forças da sociedade civil organizada, associadas a essa modalidade de ensino, representadas por diferentes segmentos, e o quanto promoveram de avanços na aplicação dos direitos assegurados.

I Encontro Mineiro sobre Educação de Jovens, Adultos e Idosos

I Encontro Mineiro sobre Educação de Jovens, Adultos e Idosos
Acesse aqui os Anais do I Encontro Mineiro de Educação de Jovens, Adultos e Idosos
 

Veja os resultados do nosso I Encontro: propostas, moções, documentos, regimento interno, gráficos, fotos e vídeos. 

Segue os Anais de nosso I Encontro na esperança do chamado para o nosso II Encontro. 

 

Resposta dos Fóruns de EJA do Brasil ao MEC

Brasil, 07 de Junho de 2017.

Prezada Senhora

Maria Helena Guimarães de Castro,

Em resposta ao Ofício 20/2017/CHEFIAGAB/SE/SE/ME que trata do Processo 23000.021223/2017-62, onde esta Secretaria Executiva solicita indicação de representantes no Fórum Nacional de Educação (FNE), os Fóruns de Educação de Jovens e Adultos do Brasil avaliam que:

1. O Fórum Nacional de Educação (FNE) é uma conquista histórica e um espaço de interlocução entre sociedade civil e governo, previsto na Lei no 13.005/14, que dispõe sobre o Plano Nacional de Educação (PNE), referência para a gestão e a mobilização da sociedade brasileira. Por definição legal é o coordenador e articulador das conferências nacionais de educação, plurais e democráticas, e uma das instâncias de monitoramento e avaliação do PNE.

2. O FNE é formado e constituído por decisões colegiadas, de maneira transparente, republicana e democrática e, portanto, sob bases conhecidas e pactuadas. Não é um apêndice rebaixado do Ministério da Educação que, por ele, pode ser modificado a qualquer tempo de forma unilateral e arbitrária, para atender quaisquer interesses conjunturais e políticos.

I Seminário de Pesquisadores e Extensionistas sobre Educação de Jovens e Adultos na UFMG

De 29 a 31 de março de 2017 será realizado o I Seminário de Pesquisadores e Extensionistas sobre Educação de Jovens e Adultos na UFMG. Nesse Seminário, reuniremos, pela primeira de muitas outras vezes, professores universitários, estudantes universitários, pós-graduandos e demais interessados na pesquisa, na extensão e nos estudos que ocorrem na UFMG em todas as áreas sobre o estudo, a formulação e a elaboração das políticas públicas que tratem de Jovens, Adultos e Idosos. Um dos objetivos deste Seminário é a constituição de uma Rede de Pesquisadores e Extensionistas na temática. 

A dinâmica do Seminário contará com Conferência de Abertura dia 29 à noite; Apresentações de Trabalhos de Pesquisa e Extensão dos professores universitários e de universitários orientados por estes, dia 30, manhã e tarde; atividade cultural à noite; conversas sobre encaminhamentos da organização dos docentes envolvidos com Jovens, Adultos e Idosos na UFMG, dia 31, pela manhã e, finalmente, a fala de um especialista em política pública dizendo das possibilidades de Redes que registrou sobre as apresentações. Outro objetivo desse Seminário é darmos início à construção da ideia e depois termos uma edição de um livro online com o registro de experiências relatadas.

‘A universidade pública faz 95% das pesquisas do Brasil’, diz sindicalista

Professora alerta que com os cortes na educação não será possível oferecer um ensino superior público de qualidade

Por LITZA MATTOS
06/05/19 - 03h00

O que o MEC ainda precisa fazer pela EJA em 2016?

eja.jpg

O ano de 2016 está acabando e o Ministério da Educação ainda está com dívidas em relação à garantia da oferta e garantia da Educação de Jovens e Adultos para brasileiras e brasileiros de todas as regiões do país. Com o objetivo de reunir todas as ações necessárias porém não efetivadas, os Fóruns de EJA do Brasil, a Comissão Nacional de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos (CNAEJA) e o Grupo de Trabalho n. 18 da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Anped) lançou um documento 22 tópicos que vão desde assumir a Educação Popular na EJA até manutenção do apoio à pesquisa em EJA pelas agências de fomento.

Acesse o arquivo completo no link abaixo.

NOTA PÚBLICA EM SOLIDARIEDADE AO MST E EM REPÚDIO À OPERAÇÃO DA POLÍCIA DE SÃO PAULO CONTRA A ESCOLA NACIONAL FLORESTAN FERNANDES

eff.jpg

Docentes da Licenciatura em Educação do Campo (LeCampo) e o Núcleo de Estudos e Pesquisa em Educação de Jovens e Adultos (NEJA) da Universidade Federal de Minas Gerais, em reunião realizada no dia 16 de novembro, se manifestaram contra os ataques de agentes do Estado à Escola Florestan Fernandes no início deste mês. Além disso se posicionam solidariamente ao Movimento Sem-Terra (MST) que vem resistindo a incessantes golpes contra o direito de manifestação garantido na Carta Magna.

Leia abaixo a íntegra a nota pública.

Conteúdo sindicalizado