Skip to Content

Seja bem Vindo ao Portal do Fórum Piauiense de EJA.

Artigo: 'A batalha da língua na guerra das culturas'

Maria Alice Setubal* e Maurício Ernica** - Especial para o Estadão.edu

"O fato de um livro aprovado pelo Ministério da Educação (MEC) afirmar que é legítimo, sim, usar modos de falar populares reavivou antigas polêmicas. Como de hábito, várias vozes se levantam, a maioria contrária à posição do livro, e com muita frequência se manifestam com tom carregado de paixões.

Clique aqui e veja materia na integra.

A polêmica sobre Livro de EJA do PNLD: VEJA A ENTREVISTA com Vera Masagão Ribeiro, doutora em educação, coordenadora geral da ONG Ação Educativa

Erros em livro de português servem para levar alunos do coloquial à norma culta.

(CBN a radio que toca a notica)(CBN total)

Prêmio Medalha Paulo Freire 2011

O Prêmio Medalha Paulo Freire 2011 tem por identificar, às experiências de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos (EJA), que articulem a continuidade dos estudos e a interface com o mundo do trabalho, na perspectiva da educação e aprendizagem ao longo da vida.     

Livro para adultos não ensina erros

Uma frase retirada da obra Por uma vida melhor, cuja responsabilidade pedagógica é da Ação Educativa, vem gerando enorme repercussão na mídia. A obra é destinada à Educação de Jovens e Adultos, modalidade que, pela primeira vez neste ano, teve a oportunidade de receber livros do Programa Nacional do Livro Didático. Por meio dele, o Ministério da Educação promove a avaliação de dezenas de obras apresentadas por editoras,  submete-as à avaliação de especialistas e depois oferece as aprovadas para que secretarias de educação e professores façam suas escolhas.

Veja em anexo a notícia na integra.

Queda do analfabetismo adulto é residual

Foram poucos os que aprenderam a ler entre 2000 e 2010, segundo o censo; redução foi de 0,5 ponto percentual

Crianças e jovens foram principais responsáveis pela diminuição do analfabetismo ocorrida na década passada

ANTÔNIO GOIS
DO RIO

Edna Veiga, 76, já perdeu a conta do número de cursos de alfabetização em que se matriculou antes de, finalmente, aprender a ler.
"Fiz muitos, mas nada entrava na minha cabeça. Acho que desta vez funcionou porque o professor teve mais paciência", diz ela.
O fato de Edna ter aprendido a ler depois de adulta a torna, no entanto, uma exceção nas estatísticas.
Um olhar mais cuidadoso sobre a década passada através do censo do IBGE mostra que, apesar de quase R$ 3 bilhões investidos pelo governo federal na alfabetização de adultos, uma vez completados 20 anos de idade, foram poucos os analfabetos que aprenderam a ler e escrever entre 2000 e 2010.
A erradicação do analfabetismo na década passada era meta do Plano Nacional de Educação -aprovado pelo Congresso- e promessa de campanha de Lula.
No total da população de 15 anos ou mais, a proporção de iletrados caiu de 13,6% para 9,6%. Essa redução, no entanto, ocorreu principalmente entre crianças e jovens. Entre os brasileiros que começaram a década passada entre 20 e 49 anos, os avanços foram residuais.

Divulgar conteúdo